Home Notícias Política Aécio Neves admite derrota em 2014, mas Bolsonaro tem certeza que Aécio foi o vencedor

Aécio Neves admite derrota em 2014, mas Bolsonaro tem certeza que Aécio foi o vencedor

4 minutos tu lês tudo
231

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) fez nesta quinta-feira (8) novas ameaças em relação ao pleito do ano que vem, quando ele deve disputar a reeleição.

“Eleições no ano que vem serão limpas. Ou fazemos eleições limpas no Brasil ou não temos eleições”, declarou a apoiadores, em frente ao Palácio da Alvorada. A fala foi transmitida por um site bolsonarista.

A principal estratégia do presidente é questionar a segurança das urnas eletrônicas, sistema usado desde 1996 e considerado eficiente e confiável por autoridades e especialistas no país.

O próprio Bolsonaro foi eleito para o Legislativo usando o sistema em diferentes ocasiões, assim como venceu o pleito pelo Palácio do Planalto da mesma forma.

Bolsonaro disse também ter um levantamento “feito por gente que entende do assunto” que apontaria a vitória do candidato do PSDB naquela eleição. “O Aécio foi eleito em 2014”, declarou, sem apresentar provas, em entrevista à Rádio Guaíba.

7 anos de atraso

Após a mais nova ameaça de Bolsonaro ao sistema eleitoral e à democracia, o candidato a vice na chapa de Aécio Neves (PSDB) na eleição presidencial de 2014 disse que a vitória de Dilma Rousseff (PT) foi justa. O reconhecimento de maneira clara e objetiva surge com sete anos de atraso.

“A eleição foi limpa, nós perdemos porque faltou voto. É evidente que Bolsonaro não tem prova nenhuma sobre nada, porque não houve fraude”, afirmou o tucano Aloysio Nunes. Naquele disputa, Dilma foi reeleita com 52% dos votos, ante 48% do tucano Aécio, com vantagem de cerca de 3,5 milhões de votos.

Apenas dois dias depois da eleição, Aécio e o PSDB ingressaram na Justiça Eleitoral para questionar o pleito. A atitude gerou insegurança e motivou manifestações que se seguiram durante todo o segundo mandato de Dilma. Ela caiu menos de dois anos após ser reeleita.

Aécio Neves também se manifestou. Ele afirmou que a discussão sobre a confiabilidade da urna eletrônica e a possível adoção do voto impresso, defendida por Bolsonaro, ficou “contaminada pelo radicalismo dos discursos”.

“Eu não acredito em fraude em 2014 e tampouco que as urnas de primeira geração devam ser tratadas como cláusulas pétreas e que não possam evoluir”, disse Aécio.

 

Comentários com Facebook

Carregar Mais Artigos Parecidos
Carregar Mais De Marcus Pessoa
Carregar Mais Em Política
Comentários Fechados

Espia Esse Aqui

Programa de transformação digital dos serviços públicos, criado Roberto Cidade, vira lei

O Projeto de Lei nº 399/2020, de autoria do presidente da Assembleia Legislativa do Amazon…