Home Notícias Política AM dá seis votos à LDO recheada de R$ 5,7 bi ao Fundo Eleitoral

AM dá seis votos à LDO recheada de R$ 5,7 bi ao Fundo Eleitoral

2 minutos lido
247

 

A bancada do Amazonas no Congresso Nacional contribuiu com seis votos na aprovação do projeto da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para 2022. No projeto, constam R$ 5,7 bilhões para o fundo de campanha política. O Fundo Eleitoral de 2018 foi de R$ 2 bilhões.

A bancada do estado é composta de 11 congressistas – oito deputados e três senadores.

Nas sessões dessa quinta-feira (15), os parlamentares do Amazonas votaram assim: na Câmara, dos oito deputados, votaram a favor da LDO com o fundo bilionário de campanha Átila Lins (PP), Bosco Saraiva (SD), Delegado Pablo (PSL) e Silas Câmara. O único a votar contra foi José Ricardo (PT).

Os ausentes foram o Capitão Alberto Neto (Republicanos) e Sidney Leite (PSD). Marcelo Ramos (PL) não votou.

No Senado, votaram a favor Eduardo Braga (MDB) e Omar Aziz (PSD). Plínio Valério (PSDB) votou contra.

Em muitas bancadas, parlamentares votaram contra a LDO por causa da inclusão do Fundo Eleitoral que teve aumento de aproximadamente 200% em relação ao fundo destinado às eleições de 2018.

Metas

O projeto da LDO determina as metas e prioridades para os gastos do governo no ano que vem. Vacinas, creches, casas e tratamento de câncer estão entre as despesas prioritárias.

Com a aprovação da LDO, o Congresso entrará formalmente em recesso parlamentar, entre 18 e 31 de julho.

A LDO serve como base para o projeto de lei orçamentária (LOA) de 2022, que será apresentado pelo Poder Executivo em agosto.

Em um primeiro momento da sessão, o projeto foi aprovado pelos deputados. Depois, pelos senadores.

Contra e a favor

Contudo, foi no Senado onde o Fundo Eleitoral foi mais discutido, além das severas críticas ao aumento do valor em tempo de pandemia.

Um dos críticos foi o senador Oriovisto Guimarães (Podemos-PR), vice-líder do partido. Ele afirmou que o registro serviria para marcar a “impressão digital” dos que aprovassem o aumento.

“É um absurdo o que estão fazendo. Em plena pandemia estão possibilitando que se aumente o Fundo Eleitoral. É uma coisa absurda! A imprensa toda já está falando nisso. É um desrespeito à nação”, Guimarães, que orientou o voto não.

Por outro lado, ao defender o partido, o paraense e líder do PT, senador Paulo Rocha (na foto, em videoconferência), afirmou que é preciso explicar à população que democracia tem um custo e que os representantes do povo não podem ficar submetidos ao poder econômico.

“Nós não somos culpados disso. O PT não tem o que esconder no país. Nós sempre brigamos, é a nossa proposta desde o início. O financiamento de campanha tem que ser financiamento público para assegurar o mínimo de democracia. Senão, aquele que tem poder econômico maior ganha”, explicou o líder.

Apesar de ser favorável ao aumento no fundo, o PT votou contra a aprovação do PLDO, por ser contrário a outros pontos do projeto.

Indecente e imoral

O senador Eduardo Girão (Podemos-CE) disse considerar o aumento indecente e imoral. Ele chegou a sugerir que o destaque apresentado pelos senadores do seu partido fosse reestabelecido e disse que, caso contrário, não poderia votar a favor da aprovação por causa do aumento do fundo.

O vice-presidente do Congresso, deputado Marcelo Ramos (PL-AM), que presidia a sessão, explicou que não seria possível retomar um destaque e votar pela derrubada apenas dessa parte, já que os destaques haviam sido rejeitados durante a votação dos deputados.

Com informações das agências Senado e Câmara

 

 

 

Fotos: Jefferson Rudy/Agência Senado

Comentários com Facebook
Carregar Mais Matérias Relacionadas
Carregar Mais Por Alessandro Nuñes
Carregar Mais Em Política

Leia Também

Presidente Roberto Cidade apresenta PL que autoriza assinatura digital para projetos de iniciativa popular

Previsto no artigo 33 da Constituição do Estado do Amazonas, os projetos de iniciativa pop…