Home Notícias Política Marcelo Ramos pode assumir a Presidência do Brasil a qualquer momento? Entenda

Marcelo Ramos pode assumir a Presidência do Brasil a qualquer momento? Entenda

6 minutos o tempo de leitura
7,985

Desde a última quarta-feira, 06/10, o deputado federal e vice-presidente da Câmara dos de deputados, Marcelo Ramos (PL-AM) tem presidido interinamente a Câmara Federal após a viagem de Arthur Lira (PP), presidente da Câmara, a Roma.

Marcelo Ramos tornou-se assim o primeiro parlamentar amazonense a assumir a presidência da Câmara dos Deputados. Ele fica no cargo até a próxima semana.

Lira deixou o Brasil para participar de um evento pré-COP26, a ‘Conferência das Partes’, vinculada a Organização das Nações Unidas (ONU). Em Roma, Lira encontrará parlamentares de todo o mundo para discutirem pautas que antecedem a Conferência do Clima, deixando o deputado amazonense na presidência da Câmara até o dia 10 de outubro.

Nas redes sociais, Marcelo tem postado suas ações enquanto presidente, além de um texto no qual ele fala sobre a sua responsabilidade.

“Vivi momentos especiais. Como primeiro amazonense a assumir o exercício da presidência da Câmara dos Deputados, sentado na cadeira onde Ulisses Guimarães promulgou a nossa Constituição Federal, tive a honra instalar a Comissão Especial que analisará a manutenção de incentivos fiscais que estimularão investimentos e empregos na Zona Franca e nas indústrias de todo o país.

E, ao lado dos meus amigos prefeitos e prefeitas do meu Amazonas, no Dia do Prefeito, aprovamos, em segundo turno, a PEC que aumenta em 1% o Fundo de Participação dos Municípios, o que vai dar mais equilíbrio aos orçamentos dos municípios brasileiros.

Agradeço a Deus, aos amazonenses e colegas deputados que me permitiram viver esse momento. Para completar, hoje faz 36 anos que meu pai faleceu e aproveito para honrar sua memória e a toda a minha família pelo apoio incondicional. “, publicou Ramos.

No meio desse burburinho, surgiu a questão se o deputado Marcelo Ramos poderia assumir a Presidência do Brasil a qualquer momento.

Marcelo Ramos pode assumir a Presidência do Brasil a qualquer momento? Entenda

Linha Sucessório da Presidência do Brasil

A Constituição brasileira estabelece que na ausência do presidente e de seu vice caberá ao presidente da Câmara o comando do país. Ele é seguido na linha de sucessão pelo presidente do Senado e, depois, pelo presidente do Supremo Tribunal Federal (STF).

Então, trocando em miúdos, na ausência de Jair Bolsonaro, quem é o substituto direto é seu vice, Hamilton Mourão (PRTB). Mourão assumiu o comando do país pela primeira vez em 21 de janeiro de 2019, depois de o presidente embarcar para a Suíça, onde participou do Fórum Econômico Mundial de Davos.

Caso o presidente Bolsonaro e seu vice, façam uma viagem para o exterior, o próximo a assumir o comando do país é o presidente da Câmara dos Deputados, seria o deputado Arthur Lira (PP-AL). No entanto, por ser réu em duas ações no STF – a Primeira e a Segunda Turma do STF aceitaram denúncias contra Lira em dois casos distintos –, ele está impedido de assumir interinamente o Palácio do Planalto.

O precedente para esse caso foi determinado pelo STF em 7 de dezembro de 2016 e estabelece que réus em ações penais no STF podem até comandar uma das Casas do Congresso, mas não substituir o presidente e o vice, caso os dois se ausentem do território nacional.

O terceiro na linha sucessória brasileira é o presidente do Senado e não o vice-presidente da Câmara (ainda que esteja em exercício da Presidência da Câmara). O comando da Casa cabe ao senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG). Em 23 outubro de 2019, por exemplo, a presidência do país foi exercida pelo então presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP). Na ocasião, Bolsonaro fazia um giro de dez dias por cinco países da Ásia e do Oriente Médio e o Executivo era comandado por Mourão.

O general, no entanto, precisou viajar para Lima, no Peru, onde participou de reunião sobre a venda de submarinos para a Marinha peruana e encontrou-se com autoridades e empresários daquele país.

Como o então presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), também estava em viagem internacional, coube a Alcolumbre assumir a Presidência da República e não ao vice-presidente do Rodrigo Maia à época.

Seguindo a ordem determinada pelo artigo 80 da Constituição, em caso de impedimento do presidente e do vice, ou vacância dos respectivos cargos, e na impossibilidade dos presidentes da Câmara e do Senado assumirem interinamente o Executivo, caberá ao presidente do STF o exercício da Presidência da República.

No atual cenário, a função caberia o presidente do STF, ministro Luiz Fux. Ele comanda o Supremo desde setembro e ficará à frente da Corte até 2022.

Em setembro de 2018, o ministro Dias Toffoli, então presidente do STF, assumiu a Presidência da República de forma interina quando Michel Temer (MDB) viajou a Nova York para a abertura da 73ª Assembleia-Geral das Nações Unidas.

O presidente do STF assumiu o cargo de Temer em função da legislação eleitoral. Como o posto de vice-presidente estava vago após impeachment de Dilma Roussef (PT), a primeira pessoa na linha sucessória era o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e o segundo, o do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE).

A lei eleitoral, contudo, impede que candidatos ocupem cargos no Executivo nos seis meses que antecedem as eleições. Como ambos eram candidatos à reeleição em seus cargos no Legislativo, eles tiveram de sair do país para evitar serem convocados a assumir o Planalto.

Marcelo Ramos
Comentários com Facebook
Carregar Mais Artigos Parecidos
Carregar Mais De Marcus Pessoa
Carregar Mais Em Política

Espia Esse Aqui

Roberto Cidade comemora 66 anos de Tapauá, neste final de semana

Convidado pelo prefeito de Tapauá (distante 449 Km de Manaus), Gamaliel Andrade, para part…