Home Notícias Amazonas Mesmo com pandemia, Feira de Pirarucu Manejado de Tefé tem faturamento de R$ 57 mil

Mesmo com pandemia, Feira de Pirarucu Manejado de Tefé tem faturamento de R$ 57 mil

3 minutos lido
59

Foram comercializados 224 peixes em duas edições do evento que costuma reunir turistas e compradores do pescado de diversos lugares do Brasil
Atípico para a maioria das pessoas, o ano de 2020 não foi diferente no interior do Amazonas, onde os povos tradicionais, isolados pela pandemia de covid-19, tiveram que buscar alternativas de subsistência e manutenção da renda. Mesmo diante dos desafios impostos pelo vírus, um experiente grupo de pescadores e pescadoras do Médio Solimões, com o apoio técnico do Instituto Mamirauá, conseguiu concluir com sucesso as atividades de manejo sustentável do pirarucu e realizar as duas edições da tradicional Feira de Pirarucu Manejado.

O maior peixe de escamas de água doce do mundo (Arapaima gigas) é uma importante fonte de subsistência na Amazônia. O imponente pirarucu sai das águas da Reserva de Desenvolvimento Sustentável Amanã, “caminho da chuva” em Tupi Guarani, pelas mãos de homens e mulheres pertencentes ao Acordo de Pesca do Setor Pantaleão, e é das feiras que ele parte para a mesa da população local e também de restaurantes renomados, no norte e no sudeste do Brasil.

Cuidados redobrados

Durante a pandemia, a organização das feiras exigiu ainda mais empenho de articulação e cuidados redobrados para garantir a segurança dos pescadores e consumidores. Uma série de reuniões extraordinárias foram realizadas para orientação e planejamento da pesca e do evento. Todas as normas de segurança sanitária orientadas pelos órgãos de saúde foram atendidas, e o evento só foi possível graças ao empenho e apoio de parceiros e organizações manejadoras.

Foto : Divulgação

Resultados

Houve um aumento pela procura do produto legal e manejado, e também um aumento do volume de compra por consumidor. A coordenadora do Programa de Manejo de Pesca do Instituto Mamirauá, organização social vinculada ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI), Ana Cláudia Torres, destaca os resultados da realização das feiras deste ano.

“Foram comercializados 224 peixes em dois momentos (outubro e dezembro), o que mostra o potencial de consumo pela população, bem como a adesão e seu apoio à iniciativa. Outro resultado positivo foi o aumento da compra por estabelecimentos comerciais com a intenção de revenda, o que, em tese, possibilita a oferta do produto no mercado local por um período maior de tempo”.

A 16ª edição da feira, realizada nos dias 17 e 18 de outubro, e a 17ª, entre 05 e 06 de dezembro, atingiram um faturamento total de 57 mil reais. O lucro obtido será dividido entre os 120 pescadores e manejadores do Acordo de Pesca do Setor Pantaleão.

A feira celebra o final de um ciclo de dez meses de trabalho dos pescadores que atuam vigiando e protegendo os lagos contra invasores, fazendo a contagem de peixes para determinar o volume de retirada anual, pescando e beneficiando a carne.

Subvenção para o manejo de pirarucu

Na manhã desta segunda-feira (14), o presidente da Agência de Desenvolvimento Sustentável (ADS) do Amazonas, Sérgio Litaiff Filho, assinou o Regimento Interno da Comissão Interinstitucional que tem em vista articular o pagamento da Subvenção Econômica dos Pescadores Manejadores de Pirarucu.

O ato cumpre a previsão de decreto nº 41.829, publicado no Diário Oficial do Estado do Amazonas em 21 de janeiro de 2020, que visa o repasse de R$ 1 por quilo de pescado comercializado.

O documento dispõe o regramento legal e as exigências para quem tem interesse em participar do pagamento da subvenção, e ainda precisa ser assinado por entidades e associações antes que se dê início ao credenciamento dos beneficiários.

Segundo o presidente da ADS, o pagamento será feito de forma inédita no Município de Tefé, onde está localizada a sede do Instituto Mamirauá, precursor do manejo sustentável do pirarucu.

Apoio às feiras

A realização das feiras é uma parceria entre a Prefeitura Municipal de Tefé, o Departamento de Mudanças Climáticas e Unidades de Conservação da Secretaria de Meio Ambiente do Estado do Amazonas, a Fundação Amazonas Sustentável, o Instituto de Desenvolvimento Agropecuário e Florestal Sustentável do Estado do Amazonas (IDAM), a Agência de Desenvolvimento Sustentável do Amazonas (ADS), o SEBRAE e a Colônia de Pescadores Z4 de Tefé.

Foto : Divulgação

Texto: Augusto Gomes, com colaboração de Mariana Bazzini.

Carregar Mais Matérias Relacionadas
Carregar Mais Por Marcus Pessoa
Carregar Mais Em Amazonas

Leia Também

No total Corpo de Bombeiros salvou 51 pessoas durante incêndio ocorrido em prédio no Centro de Manaus

O Corpo de Bombeiros Militar do Amazonas (CBMAM) salvou, na manhã deste sábado (08/05), 51…