Não é verdade que o Vereador Marcelo Serafim votou contra o requerimento do vereador Chico Preto

401

Na última segunda (7), em expediente da Câmara Municipal de Manaus, o vereador Chico Preto fez uma requisição para pedir esclarecimentos sobre a participação do servidor Elizeu da Paz de Souza e o trajeto do carro que está alugado para a Prefeitura de Manaus.

O líder do PSB na Câmara Municipal de Manaus, o vereador Marcelo Serafim (PSB), chegou a ser acusado de votar contra o requerimento do vereador Chico Preto, no qual seria enviado à Casa Militar para cobrar respostas sobre o uso de carro público em cena de crime ocorrido na semana passada. O documento questionava a participação do servidor Elizeu da Paz de Souza entrando no condomínio Passaredo, na Ponta Negra, na Zona Oeste de Manaus, em um veículo de domínio da Prefeitura de Manaus.

Alguns blogs e portais colocaram como se todos os vereadores tivessem votado contra o requerimento, porém, no caso específico do vereador Marcelo Serafim, o mesmo encontrava-se ausente da Câmara Municipal no momento da votação, isso porque o vereador que é o Presidente da Comissão de Saúde da CMM estava representando a Câmara Municipal em reunião com o Ministério Público e SUSAM sobre o Hospital Francisca Mendes.

Antes do pronunciamento do vereador Chico Preto, o vereador Marcelo Serafim falou no pequeno expediente e pediu autorização da presidência para ir na reunião do Ministério Público e o presidente o designou para ir representar a casa.

Em exclusivo ao portal No Amazonas é assim, Marcelo Serafim disse que votaria a favor pois entende que esse caso deva ser tratado de forma transparente e com todos os cuidados inerentes a qualquer investigação, independentemente dos envolvidos.

Nesta terça-feira (08) a Câmara voltou atrás e resolveu convocar responsáveis pela Prefeitura para dar esclarecimentos. “Creio que hoje a Câmara através do seu presidente tomam a decisão correta na hora em que pedem para que a prefeitura envie um representante para dar maiores esclarecimentos ao parlamento e a sociedade”, disse Marcelo Serafim.

Durante a votação estavam ausentes os vereadores : Tabosa, Sassá da Construção Civil e o Marcelo Serafim. O presidente da CMM Joelson não vota

Vale lembrar que o uso ilegal de segurança da Casa Militar e carro da prefeitura pode configurar crime de responsabilidade o que pode gerar inclusive pedido de cassação do mandato do Prefeito Artur Neto.

Abaixo, o vereador durante reunião no Ministério Público.

Comentários