Nos Siga nas Redes Sociais
MANAUSAsfalta Manaus – pavimentando o caminho de uma nova cidade
Manaus, AM, quarta, 28 de setembro de 2022

Amazonas

Orsine Jr é denunciado ao Ministério Público por improbidade administrativa

Publicado

no

Na última terça-feira (13/9) o pleno do Tribunal de Contas do Estado do Amazonas (TCE-AM) julgou irregular a prestação de contas do ex-presidente da Empresa Estadual de Turismo do Amazonas (Amazonastur), Orsine Junior, referente a 2018, a decisão culminou na aplicação de multas que somam R$ 392.333,91. De acordo com o auditor Luiz Henrique Pereira Mendes, Orsine Jr. cometeu improbidade administrativa durante a gestão da Amazonastur.

O Ministério Público de Contas (MPC) apontou irregularidade das contas aplicando a multa e em seguida encaminhando os autos ao Ministério Público do Estado do Amazonas (MPE-AM).

Imagem: Reprodução

De acordo com a decisão de 30 de agosto deste ano, o auditor aponta que a investigação identificou irregularidades como atraso no envio de prestação de contas mensais; divergência entre os registros contábeis e o extrato bancário; violação da Lei Nº 12.527/2011, conhecida como “Lei da Transparência”; contratação de licitação por meio de dispensa emergencial sem a devida caracterização da situação emergencial; entre outros.

Sobre a prestação de contas de 2018, a Diretoria de Controle Externo da Administração Indireta Estadual (Dicai), do TCE-AM, e o Ministério Público de Contas (MPC) recomendaram que o tribunal considerasse irregular. O segundo alegou que houve menosprezo “pelas leis e pelos princípios da moralidade”. O auditor Luiz Henrique Pereira Mendes concordou com as recomendações.

Pelas razões expostas, divergindo da Dicai e destacando a escancarada demonstração de menosprezo pelas leis e pelos princípios da moralidade, isonomia e impessoalidade na celebração dos contratos acimas citados, o MPC recomenda ao Colegiado deste Tribunal de Contas, que considere irregularidades a prestação de contas do ordenador de despesas, Sr. Orsine Rufino de Oliveira Júnior”, afirmou o MPC.

Multas

Foram determinadas a aplicação de três multas, nos valores de R$ 352.093,11, R$ 10.240,80 e R$ 30.000,00, que, juntas, somam quase R$ 400 mil reais. A primeira é correspondente a 10% do dano causado ao erário e a segunda em razão do atraso dos envios dos balancetes dos meses de janeiro, fevereiro, março, junho, julho e dezembro de 2018.

A terceira multa se refere à constatação de irregularidades, além das já citadas anteriormente, como falta de transparência, de ausência de atestado de exclusividade, da razão da escolha de fornecedor e da justificativa do preço de contratação; ausência de parecer técnico ou jurídico sobre inexigibilidade de licitação; e até mesmo ausência de publicidade, com periodicidade mínima semestral, no site.

Nota

Em nota, Orsine Júnior afirmou que vai recorrer da multa aplicada pelo Tribunal de Contas do Estado do Amazonas (TCE-AM), solicitando a suspensão. Ele alega ainda que as ações na gestão à frente da Amazonastur “foram realizadas dentro dos princípios da legalidade” e que em nenhum momento foi notificado da sessão de julgamento pelo TCE-AM para fazer sustentação oral no processo.

Confira a decisão do TCE-AM na íntegra:

DECISÃO DO PLENO TCE-AM Orsine Jr Amazonas tur

 

Deixe seu comentário aqui embaixo 👇...

Asfalta Manaus

MANAUSAsfalta Manaus – pavimentando o caminho de uma nova cidade

O cuidado cada vez mais perto

O cuidado cada vez mais perto

Bora Falar de Direito?

Confira as dicas de direito

Agosto dourado: mês de incentivo ao aleitamento materno

Agosto dourado: mês de incentivo ao aleitamento materno

Falando de Contas

Programa do TCE-AM

Facebook

Prefeitura de Manaus

Últimas notícias da Prefeitura de Manaus

Assembleia Legislativa do AM

Últimas Notícias do TCE-AM

Tribunal de Contas do AM

Últimas Notícias do TCE-AM

Últimas Atualizações