Saiba porque essa tubarão consegue viver nos rios da Amazônia! - No Amazonas é Assim
Nos Siga nas Redes Sociais
Manaus, AM, segunda, 17 de junho de 2024

Curiosidades Amazônicas

Saiba porque essa tubarão consegue viver nos rios da Amazônia!

Publicado

no

O tubarão-touro, que tem em média 2 metros de comprimento, é bem menor do que o tubarão-branco ou o martelo - que podem chegar, respectivamente, a 7,5 e 6 metros (Wikimedia Commons)

O tubarão, conhecido como um dos predadores mais temidos nos oceanos, surpreende ao ser avistado em rios da Amazônia, desafiando a imagem tradicionalmente associada a esse feroz habitante marinho. O tubarão touro, em particular, foi identificado em pontos onde os rios amazônicos desaguam no oceano Atlântico.

Em uma região onde as águas escuras e barrentas já geram apreensão, a notícia de que um dos maiores predadores marinhos pode ser encontrado em água doce amplifica o receio. Conversamos com a doutora em Ecologia e Evolução pela Universidade do Arizona e curadora da Coleção de Peixes do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA), Lucia Rapp, para compreender melhor essa incrível adaptação.

Lucia Rapp confirmou que, embora seja raro, é possível encontrar tubarões circulando em água doce. Muitas espécies marinhas, não limitadas aos tubarões, são atraídas para os estuários, áreas onde os rios encontram o mar, e passam parte de suas vidas em ambientes de água doce.

LEIA TAMBÉM  Você conhece o tamanduá-mirim? Vídeo flagra mamífero andando em Tefé

O estuário do Rio Amazonas, com suas dimensões continentais e volume impressionante de água doce e nutrientes, proporciona um ambiente único. A “pluma do Amazonas”, como é conhecida essa vasta área de influência do rio sobre o mar, abriga diversas espécies, incluindo tubarões. Das mais de 200 espécies de peixes cartilaginosos, cerca de 40 foram registradas em águas doces.

O tubarão-touro, que tem em média 2 metros de comprimento, é bem menor do que o tubarão-branco ou o martelo - que podem chegar, respectivamente, a 7,5 e 6 metros  (Wikimedia Commons)

O tubarão-touro, que tem em média 2 metros de comprimento, é bem menor do que o tubarão-branco ou o martelo – que podem chegar, respectivamente, a 7,5 e 6 metros (Wikimedia Commons)


Um exemplo notável ocorreu em novembro de 2016, quando pescadores da comunidade Pinduri encontraram um tubarão touro nas águas do rio Tapajós, em Santarém, no Oeste do Pará. Embora essa espécie seja comumente encontrada em águas salgadas, sua capacidade de adaptação permitiu que esse exemplar vivesse em água doce. Após ser capturado, o tubarão foi encaminhado à coleção de peixes da Universidade Federal do Oeste do Pará (Ufopa) para estudos científicos.
LEIA TAMBÉM  Após um dia chuvoso e nublado, Manaus foi surpreendida por içás!

Mas como esses tubarões conseguem sobreviver em águas doces? Lucia Rapp explica que, embora os tubarões sejam peixes altamente adaptados para a vida em águas salgadas, algumas espécies conseguem circular facilmente entre o mar e a água doce. Seu sangue, normalmente tão salgado quanto a água do mar, torna-se “bem menos salgado” em água doce. Esses peixes precisam eliminar o excesso de sal por meio de uma glândula na região do intestino, conhecida como glândula retal.

Foto: Raiana Lara Rebelo Freire/Cedida

Foto: Raiana Lara Rebelo Freire/Cedida


No entanto, viver em água doce apresenta desafios. As modificações no fígado desses tubarões afetam sua capacidade de flutuação, limitando-os a não ultrapassar 30 metros de profundidade. Não obstante, a adaptação a águas doces é vista como uma estratégia de sobrevivência bem-sucedida, embora com algumas limitações.
LEIA TAMBÉM  Prato de origem indígena Tacacá foi o prato mais pesquisada por brasileiros no Google em 2023

Os registros de tubarões na Amazônia são escassos, muitas vezes limitados a relatos não fundamentados de pescadores. Lucia Rapp destaca que a entrada desses predadores nas águas doces pode estar relacionada à busca por alimento, reprodução e, em alguns casos, a vantagem competitiva proporcionada pela ausência de predadores. O “stress fisiológico” desencadeado pela transição para águas doces pode estimular a reprodução, sendo observado o amadurecimento das gônadas nesses peixes.

Tubarão touro ou cabeça-chata (Carcharhinus leucas). Foto: Doriedson Campanhan/Flickr

Tubarão touro ou cabeça-chata (Carcharhinus leucas). Foto: Doriedson Campanhan/Flickr


Apesar das preocupações, a presença desses tubarões na Amazônia parece ser uma realidade ocasional, motivada por fenômenos naturais e estratégias de sobrevivência complexas. À medida que os cientistas continuam a estudar esses intrépidos habitantes aquáticos, a compreensão de suas adaptações e interações no ecossistema amazônico se aprofunda, revelando uma complexidade surpreendente na vida desses predadores marinhos em um cenário de água doce.
Tubarão touro (Carcharhinus leucas) encontrado em Santarém, no Pará. Foto: Raiana Lara Rebelo Freire/Cedida

Tubarão touro (Carcharhinus leucas) encontrado em Santarém, no Pará. Foto: Raiana Lara Rebelo Freire/Cedida

Deixe seu comentário aqui embaixo 👇…

Sou o idealizador do No Amazonas é Assim e um apaixonado pela nossa terra. Gravo vídeos sobre cultura, comunicação digital, turismo e empreendedorismo além de políticas públicas.

Notícias da ALEAM

Lendas Amazônicas, Urbanas e Folclóricas!

Curta a gente no Facebook

Bora Falar de Direito?

Confira as dicas de direito

Prefeitura de Manaus

Últimas notícias da Prefeitura de Manaus

Governo do Amazonas

Últimas notícias do Governo do AM

Tribunal de Contas do Amazonas

Últimas Notícias do TCE-AM

Assembleia Legislativa do AM

Últimas notícias da ALE-AM

Entre em nosso Grupo no Whatsapp

Participe do nosso grupo no Whatsapp

Últimas Atualizações