Um menino de 5 anos se apega ao caixão de sua mãe para impedir que ele saia para sempre

15218

Kaye é um garoto de 5 anos que está fazendo o mundo inteiro chorar após as imagens dele viralizar. Nas imagens ele aparece debruçado sobre o caixão da sua mãe, inconsolado, enquanto sua família a dava o último adeus.

A mãe da criança perdeu a vida depois de sofrer complicações durante o parto, o fato ocorreu há três anos, mas agora as fotos vieram à luz.

O menino arrastou uma cadeira, colocou-a ao lado do caixão e nunca saiu, perguntou se ele poderia dormir com a mãe.

Ele disse a um dos presentes que sua mãe estava dormindo e que estar perto dela era tudo o que ele queria. “Este é o meu lugar favorito”, disse o garoto.

Toda noite, durante os cinco dias em que a vigília durava, ele ficava com o corpo de sua mãe.

Marichu Gabriel, que compartilhou as imagens emocionais em seu perfil do Facebook, comentou no post:

“Toda noite, quando tudo fica quieto, quando todo mundo se foi, adeus foi dito e ninguém está lá para brincar, nosso filho colocava o ventilador direcionado para o seu lugar favorito nos últimos 5 dias … na área mais confortável para ele: ao lado da mãe ”.

A publicação gerou milhares de comentários nas redes daqueles que se comoveram com o sentimento do menino que enfrentou a dor de se despedir de sua mãe.

Atualmente com oito anos, está com seu irmão mais novo e sua família recebendo o amor e apoio que ele merece, mesmo que sua mãe não esteja fisicamente presente.

As imagens comoventes convidam o mundo a refletir sobre a importância de agradecer a cada segundo, avaliando a presença das pessoas que amamos.

Mas, acima de tudo, saber acompanhar e oferecer conforto às crianças em uma situação tão dolorosa quanto a da morte de um ente querido.

O que os especialistas recomendam é sempre dizer a verdade, adaptando o contexto à idade e ao nível de entendimento, evitando oferecer expectativas irreais, como “estão dormindo”, “fizeram uma viagem muito longa”.

Além disso, é melhor validar sua emoção enquanto estiver acompanhado, apoiado e autorizado a desabafar e expressar todas as suas preocupações. Compartilhe esse caso emocional.

Comentários