2ª fase da Operação Mandrágora: Saiba dos novos desdobramentos do caso Djidja Cardoso - No Amazonas é Assim
Nos Siga nas Redes Sociais
Manaus, AM, terça, 25 de junho de 2024

Polícia

2ª fase da Operação Mandrágora: Saiba dos novos desdobramentos do caso Djidja Cardoso

Publicado

no

A 2ª fase da Operação Mandrágora foi deflagrada pela Polícia Civil do Amazonas (PC-AM), por meio do 1º Distrito Integrado de Polícia (DIP) e com o apoio dos DIPs da Seccional Sul e do Ministério da Agricultura e Pecuária, na última sexta-feira (07/06) que resultou na prisão de cinco suspeitos envolvidos na distribuição de ketamina ou cetamina de maneira ilegal. As prisões ocorreram em diferentes zonas de Manaus.

Foram presos Bruno Roberto, ex-namorado de Dilemar Cardoso Carlos da Silva, a “Djidja Cardoso”, encontrada morta no dia 28 de maio deste ano, no bairro Cidade Nova, zona norte de Manaus; o treinador da família Cardoso, Hatus Silveira e dois funcionários de uma clinica veterinária, alvo da investigação, identificados como Emicley Araújo Freitas Júnior e Sávio Soares Pereira.

Ao total, dez pessoas já foram presas desde quando iniciou a Operação Mandrágora – Imagem: Divulgação

Durante coletiva de imprensa realizada na Delegacia Geral (DG), nesta segunda-feira (10/06), o delegado Cícero Túlio, titular do 1º DIP, disse que as prisões de Bruno e Hatus se deram em razão de inconsistências em seus depoimentos e de diversas conversas em seus aparelhos celulares com Cleusimar Cardoso Rodrigues, 53 anos, mãe de Djidja, já presa na 1ª fase da Operação.

LEIA TAMBÉM  Homem é morto a tiros durante madrugada na Zona Norte de Manaus

No sábado (8/6) o proprietário da clínica veterinária, José Máximo Silva de Oliveira, 45 anos, se apresentou na sede do 1º DIP e foi preso. Ele que já estava sendo considerado foragido por facilitar o fornecimento do medicamento a Cleusimar, mãe de Djidja.

“Entendemos por representar pela prisão tanto de Bruno quanto de Hatus, haja vista as inconsistências identificadas nos depoimentos deles, quando confrontadas com os dados colhidos nos aparelhos telefônicos apreendidos durante a 1ª fase da Operação. Notamos que algumas informações inverídicas foram prestadas, pois encontramos no celular de Cleusimar conversas dela com ambos”, disse o delegado Cícero.

Ainda de acordo com Cícero, mediante as provas colhidas, foi possível representar pela prisão preventiva e temporária deles, as quais foram deferidas pelo Poder Judiciário.

Publicidade
Se Inscreva em Nosso Canal no Youtube : No Amazonas é Assim - Notícias e Regionalismo

1ª Fase – Operação Mandrágora

De acordo com o delegado, a ordem cronológica dos fatos é a seguinte: Ademar Farias Cardoso Neto, 29 anos, irmão de Djidja, também preso na 1ª fase da ação, teve contato com a Ketamina durante uma viagem a Londres. Ao retornar para Manaus, ele conheceu um casal que lhe apresentou o medicamento na forma em pó.

LEIA TAMBÉM  Vídeo : Homem leva tiro na perna após se negar a entregar o celular durante assalto em ônibus em Manaus!

“A partir de então, ele e seus familiares começaram a fazer uma espécie de experimentação para descobrir qual seria a melhor forma de utilização, visando render mais aplicações e consumo. Foi assim que chegaram à forma de aplicação subcutânea, que permite a injeção do medicamento diretamente no tecido que fica abaixo da camada superficial da pele (a derme) e acima do tecido muscular”, explicou o delegado.

Durante as diligências, foi possível identificar que Cleusimar, além de usar a droga, começou a fazer uso de um livro chamado Cartas de Cristo e a realizar uma espécie de culto, onde faziam uma interpretação equivocada do livro. A partir de então, eles passaram a cooptar outras pessoas, principalmente funcionários do salão de beleza de Cleusimar. No total, dez pessoas já foram presas desde o início da Operação Mandrágora.

LEIA TAMBÉM  Corpo de criança que estava desaparecida em parque é encontrado após 7 dias

“Em determinado momento, a família Cardoso enfrentou dificuldades para comprar o medicamento. Foi então que Bruno teve acesso a Hatus, pois este trabalhava com fisiculturismo. Eles viram nessa aproximação uma oportunidade de fazer uma ligação entre Hatus e as empresas veterinárias para obter a ketamina com maior facilidade. Nesse aspecto, todos acabaram se vinculando e entrando na seita religiosa, facilitando o acesso da família Cardoso às clínicas veterinárias”, esclareceu o delegado.

As investigações apontam que já havia sido feita uma alteração na Classificação Nacional das Atividades Econômicas (CNAE) da rede de salões de beleza da família Cardoso. Eles pretendiam abrir uma clínica veterinária para facilitar o acesso ao medicamento.

Todos foram submetidos a audiência de custódia e permanecerão à disposição da Justiça.

Publicidade
Se Inscreva em Nosso Canal no Youtube : No Amazonas é Assim - Notícias e Regionalismo

Deixe seu comentário aqui embaixo 👇…

Notícias da ALEAM

Lendas Amazônicas, Urbanas e Folclóricas!

Curta a gente no Facebook

Bora Falar de Direito?

Confira as dicas de direito

Prefeitura de Manaus

Últimas notícias da Prefeitura de Manaus

Governo do Amazonas

Últimas notícias do Governo do AM

Tribunal de Contas do Amazonas

Últimas Notícias do TCE-AM

Assembleia Legislativa do AM

Últimas notícias da ALE-AM

Entre em nosso Grupo no Whatsapp

Participe do nosso grupo no Whatsapp

Últimas Atualizações