Interligação Paita-Manaus e os novos caminhos comerciais e logísticos para o Amazonas: da fase potencial a fase efetiva

441

Artigo por Ana Maria Oliveira de Souza¹ . MSc e João Augusto Cordeiro Ramos² . Esp.

O Porto de Paita, localizado no norte do Peru, município do Departamento de Piura, litoral do Oceano Pacífico, interliga-se por rodovia ao Porto de Yurimaguas, numa distância 941 km. Por sua vez Yurimaguas, por via fluvial até Manaus, passando por Iquitos, perfazendo uma distância de 2.779 km (Manaus – São Paulo são aproximadamente 3.600 km). Ou seja, a interligação logística e comercial ao Oceano Pacífico já é uma efetiva realidade para novos caminhos logísticos na Amazônia brasileira.

O referido porto em Paita, recebeu investimentos logísticos da ordem de R$ 680 milhões, equipando-se com docas fixas e móveis, guindastes e quebra-mar, albergando movimento de cargas de até 300.000 teu´s.

Na conexão interoceânica de Paita a Yurimaguas, localizada do Departamento de Loreto, já na região amazônica, a rodovia de 941 km, induz maior fluxo comercial atingindo 6,2 milhões de habitantes só no território peruanos. A interoceânica conta ainda com serviços de controle de operações (postos S.O.S; patrulha e auxílio mecânico para transporte de carga), recebeu o Certificado ISO 9001, como primeira concessão peruana com processo certificados, além de ser reconhecida internacionalmente como projeto de integração de engenharia e meio ambiente.

Próximo a Iquitos, a interoceânica desemboca no Porto de Yurimaguas, que recebeu investimentos da ordem de R$ 191 milhões. Possui capacidade de armazenamento em área coberta e aberta de 12 mil m2. A obra de dragagem do rio de Yurimaguas a Iquitos já comportam balsas de 2 mil toneladas com calado de 2,20m e balsas de 1,1 mil toneladas com 1,60m na vazante.

É neste ambiente de investimentos que a região do Alto Solimões vem se tornando o núcleo de entrada comercial em produtos hortifrutigranjeiros peruanos, além de se apresentar com novas rotas de vendas e escoamento para produtos manufaturados na Zona Franca de Manaus.

Numa óptica de planejamento regional visionário, a interligação Paita-Manaus é uma forma de ampliar o fluxo comercial entre os países andinos e pan-amazônicos, especialmente entre Peru e Amazonas, fortalecendo a indústria e o comércio da ZFM, além de criar condições de indução da atividade econômica em Tabatinga, Benjamin Constant, São Paulo de Olivença, Santo Antônio do Iça e Fonte Boa. A região do Alto Solimões tem PIB variando de R$ 149 mil (Fonte Boa) a R$ 414 mil (Tabatinga); população de 185.210, segundo dados estimados pelo IBGE em 2018, mais ainda com rendimento médio não alcançando 2 salário mínimos.

Portanto, a concretização da interligação Paita-Manaus representa um avanço logístico que será amplamente casado à interligação Manaus-Porto Velho (BR 319), fazendo com que a oferta logística mitigue o custo operacional regional e seja, ainda, instrumento catalizador para o turismo de fronteira.

A efetividade da Interligação Paita Manaus e os novos caminhos comercial e logístico para o Amazonas

Posição Municípios PIB POPULAÇÃO ESTIMADA SAL. MÉDIO

Fonte: elaboração própria a partir de dados extraídos da SEPLANCTI e IBGE
Fonte: elaboração própria a partir de dados extraídos da SEPLANCTI e IBGE

Sobre os Autores

¹- Possui Mestrado em Desenvolvimento Regional, Especialização em Direito Público e
Comércio Exterior. Graduação em Ciências Econômicas e Direito. Atualmente exerce a função de Coordenadora Geral de Estudos Econômicos e Empresariais da SUFRAMA, com atuação na área de estudos tributários e econômicos de incentivos fiscais da Zona Franca de Manaus, Amazônia Ocidental e Áreas de Livre Comércio. E-mail: amodesouza@gmail.com.

²- Possui Especialização em Direito Público, Atualmente exerce a função de assessor
parlamentar, é advogado militante. E-mail: ramosjoao.adv@gmail.com .

por :  Ana Maria Oliveira de Souza¹, MSc  e João Augusto Cordeiro Ramos², esp.
por :  Ana Maria Oliveira de Souza¹, MSc  e João Augusto Cordeiro Ramos², esp.

 

Comentários