Em menos de 24h após matéria bombástica, MP-RJ diz que porteiro mentiu

519

De forma energética e sem pestanejar, o Ministério Público do Rio de Janeiro analisou as gravações entre a portaria e as casas do condomínio onde morava o presidente Bolsonaro. Segundo os promotores do caso, foi comprovado que o porteiro mentiu. O funcionário afirmou ter ligado para a casa do então deputado Bolsonaro e que o “seu Jair” teria autorizado a entrada Élcio Queiroz, apontado como um dos executores de Marielle Franco. Ele estaria procurando outro morador do local: Ronnie Lessa, que teria atirado contra a vereadora e quem, de fato, permitiu Queiroz entrar no condomínio.

Promotora diz que porteiro mentiu ao citar Bolsonaro
Promotora diz que porteiro mentiu ao citar Bolsonaro

A procuradora do Ministério Público Simone Sibilio, chefe do Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (Gaeco), confirmou que o porteiro que envolveu o nome do presidente Jair Bolsonaro na morte da vereadora Marielle Franco mentiu em depoimento à Polícia Civil. De acordo com Simone, quem autorizou a entrada de Élcio de Queiroz no condomínio do presidente é Ronnie Lessa, suspeito de ter feito os disparos. Élcio e Ronnie foram presos em março deste ano. “Pode ter sido um equívoco, pode ter sido por vários motivos que o porteiro mencionou a casa 58 (de Jair Bolsonaro). E eles serão apurados”, declarou a promotora.

“As gravações comprovam que Ronnie Lessa é quem autoriza a entrada do Élcio. E, em depoimento, eles omitiram diversas vezes que estiveram juntos no dia do crime. O porteiro mentiu, e isso está provado por prova técnica”, afirmou Simone Sibilio.

O MP também confirmou através de perícia que a autorização dada para a entrada de Élcio no condomínio foi de Ronnie Lessa. No dia 5 deste mês, uma operação de busca e apreensão das planilhas foi autorizada e recolheu os papéis da cabine do porteiro. Ali, foi encontrada uma anotação que faz referência a casa de Jair Bolsonaro — razão pela qual o MP enviou o material ao Supremo Tribunal Federal, incluindo aí o depoimento do porteiro que também mencionava o presidente. “Se o porteiro se equivocou ou se esqueceu, a informação não é compatível”, resumiu a promotora.

Curiosamente

Casa 58 - Casa do Bolsonaro Casa 65 - Casa do Lessa
Casa 58 – Casa do Bolsonaro
Casa 65 – Casa do Lessa

Após o filho do presidente, Carlos Bolsonaro, postar um vídeo mostrando todos os áudios daquele dia e as ligações feitas da portaria para os condôminos, é possível ver que houve sim naquele dia, uma ligação para a casa 58, porém, 1 hora antes, às 15:58. O conteúdo deste áudio, porém, até o momento não foi revelado. Somente o áudio do 17:13, que no caso foi quando entrou Élcio Queiroz no condomínio.

 

Comentários